A China não é mais uma fonte de estabilidade

Nas últimas quatro décadas, passamos a apreciar a China como uma economia de crescimento e fonte de estabilidade. Principiando com a China como coadjuvante laboral da economia global, exportando desinflação e contribuindo para a estabilidade de preços em um nível baixo; observamos que essa fase acabou com mudanças num momento em que o país está se voltando mais para dentro.


Principais conclusões:

  • Agências de Risco propondo rebaixamento de ações offshore chinesas para neutro na esteira das iniciativas regulatórias mais recentes do governo.

  • A zona do euro ultrapassou a economia dos EUA no segundo trimestre de 2021. Há consenso de economistas que essa força continuará ao longo do ano.


O país se tornou a primeira escolha na alocação de ativos após a grande crise financeira, oferecendo crescimento sólido e forte e com o surgimento dos gigantes da tecnologia chinesa. Estes últimos estão sofrendo com as recentes ações do governo chinês para recuperar o controle dos dados do consumidor.

O mais recente choque para os investidores é a imposição por regulações no setor educacional. Aos olhos do governo, a educação deve ser acessível para todos e as empresas privadas do setor não devem ser orientadas para o lucro – um movimento que fez com que as cotações de empresas de educação anteriormente altamente lucrativas, despencassem. Os valuations são ainda atrativos, mas muitos analistas reduziram a classificação de ações offshore chinesas para neutro – o que define incertezas – enquanto não houver clareza quanto aos próximos movimentos do governo.


Após um semestre de contração, a atividade econômica da zona euro apresentou recuperação de forma impressionante no segundo trimestre de 2021, superando a dinâmica americana de crescimento no mesmo período.





Disclaimer:

Nenhuma informação contida nesse artigo é recomendação de compra ou venda de ativos ou valores mobiliários. Algumas das informações contidas neste ponto de vista são baseadas em declarações ou informações prospectivas, incluindo descrições de mudanças de mercado previstas e expectativas de atividades futuras. O assessor acredita que tais declarações e informações são baseadas em estimativas e suposições razoáveis. No entanto, as declarações e informações prospectivas são inerentemente incertas e os eventos ou resultados reais podem diferir materialmente daqueles refletidos nas declarações prospectivas. Portanto, não se deve confiar indevidamente em tais declarações e informações prospectivas. Esta apresentação não é e não constitui nenhuma uma recomendação de venda ou de compra de qualquer título ou valor mobiliário. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de desempenho futuro; os retornos futuros não são garantidos. Não há garantia de que o assessor fará quaisquer investimentos com as mesmas características ou características semelhantes ao investimento apresentado.